Arquivos mensais: junho 2015

O dia em que me apaixonei por um prédio feliz…

Circulando pelo bairro de Magni na cidade alemã de Braunschweig (Baixa Saxônia), deparei-me com um prédio de aparência particular que foram faíscas para os meus olhos em meio aquele antigo quarteirão de arquitetura histórica. O nome da construção por si só já remete a um momento de excitação e felicidade: “Happy Rizzi House“. Me esqueci de tudo ao redor e comecei a sentir um profundo sentimento de contentamento infantil! Essa é a sensação proporcionada pela casa projetada desde 1997 pelo arquiteto alemão Konrad Kloster e o designer americano James Rizzi.

rizzi_house3       rizzi_house21

rizzihouse1

James Rizzi (1950-2011) era conhecido por inspirar-se no mundo livre e espontâneo das crianças. Seus desenhos e estampas de cores vivas e temas lúdicos foram uma contribuição inimitável para a pop art e de um legado único no mundo, principalmente para a paisagem urbana de Braunschweig.

rizzi_house7

rizzi_house13

As ruínas de uma antiga fazenda de um palácio ducal foram transformadas em um edifício colorido de formas orgânicas e sinuosas. As inusitadas formas das janelas compõem expressões divertidas de rostos alegres e sorridentes. Elas tem formatos de retângulos irregulares, círculos, corações, estrelas e pássaros. As quinas do prédio são carinhas que provocam os pedestres na calçadas com beijinhos.

rizzi_house19                    rizzi_house10

rizzi_house12                    rizzi_house2

 

O bairro histórico de Magni – até então um pouco esquecido – recebe desde 2001 visitantes que desejam interagir com a inusitada galeria composta simplesmente por escritórios e lojas, mas que desperta um imenso desejo de ser bobo, de ser criança novamente, dando novo frescor e alegria ao lugar.

rizzi_house16                      rizzi_house4

rizzi_house8                     

Permita-se ser boba e infantil de vez em quando, principalmente se for porque se apaixonou por ideias iluminadas que deixem o dia a dia dos contextos urbanos mais feliz!

rizzi_house20

 

rizzi_house17
rizzi_house18
rizzi_house00

 

 

Coolhunting: Observação de Tendências em contextos urbanos

No mês de julho voltarei ao Brasil para fazer um Lab sobre Coolhunting na Faculdade SENAI CETIQT.  Trata-se de uma modalidade que mistura teoria e prática. Por isso falaremos sobre a técnica de coolhunting, mas também vamos colocar a mão na massa. Estarei cheia de novidades, ideias e experiências para dividir com os interessados! Maiores informações no site www.cetiqt.senai.br.

Mil beijos e até em breve com um curso de férias rápido, porém denso de conteúdo e aprendizado!

coolhunting

Vamos incluir!

Nos últimos dias temos observado várias notícias, referentes a inclusão social permeando cada vez mais o dia a dia da sociedade e dos mercados, afirmando-se como um valor social, ético e moral e um paradigma imprescindível a ser seguido.

A marca espanhola Desigual, por exemplo, celebra e abraça o original e autêntico na moda. Contratou a modelo com vitiligo Winnie Harlow e incentiva os clientes da marca: “Não deixe que ninguém decida o que é beleza para você.” A jovem de 20 anos com manchas de pele pelo corpo mostra que a beleza humana é diferente e de todas as cores.

 

O mundo infantil também cresce com parâmetros que valorizam a diversidade racial. As meninas já podem brincar com bonecas Bárbies com 8 tons de pele diferentes, além de terem 14 opções de rostos, 18 cores de olhos e 23 tipos de cabelos.

 

A publicidade da GRAACC (Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer) trata-se de um exemplo iluminado. Desenhos animados com os membros da turma da Mônica e demais personagens infantis com a cabeça raspadinha lembram que toda criança com câncer tem que curtir a infância como qualquer criança e a carequinha decorrente da quimioterapia deve ser encarada com naturalidade e sem preconceitos por parte de outras crianças saudáveis.

 

Uma brincadeira feita por um canal de humor no YouTube chamado Boom também viralizou essa semana.  Um carro estacionado em uma vaga para deficientes físicos na cidade de Maringá foi coberto por post-its azuis e brancos formando o símbolo da vaga de estacionamento para deficientes e deixando o dono do veículo constrangido.

Completando a lista de exemplos, não poderia faltar a aprovação da legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo em todo os Estados Unidos nesse dia 26 de junho.
“Estaria equivocado dizer que estes homens e mulheres desrespeitam a ideia de casamento… Eles pedem direitos iguais aos olhos da lei.”  Suprema Corte dos EUA
A receptividade social quanto a nova lei e a celebração da decisão judicial foi tão grande que o próprio Facebook tornou-se um mar de perfis coloridos com as cores do arco-íris.
11667534_10102203860243201_2713296330820668368_n
Foto: Perfil Facebook Mark Zuckerberg

 

A vida social, econômica e política, assim como as esferas corporativas, empresariais e todos os setores estão se tornando mais conscientes sobre a importância dos verbos incluir, adicionar, inserir, introduzir, tornar parte, tornar igual. Seja através da inclusão de gênero, racial ou até mesmo digital. O vocabulário das Empresas e do imaginário coletivo está mais rico e mais humano com a palavra inclusão.

Women power, girls education.

O empoderamento feminino é uma ação e conquista de grande importância para fortalecer mais mulheres, desenvolver a igualdade de gênero, superação da dependência social e dominação. Segundo um estudo recente de Estatísticas sobre Mulheres apoiado pelas Nações Unidas em 174 Estados-membros, “o melhor indicador para um país considerado “pacífico” não é sua riqueza ou a estrutura política, mas o bem-estar e educação de mulheres e meninas”.
http://nacoesunidas.org/em-genebra-chefe-de-direitos-humanos-da-onu-pede-medidas-urgentes-para-promover-educacao-meninas/

Sem estereótipos de terceira idade, please!

“Idosos”, a partir de 60 anos, formam o grupo que mais cresceu na última década: 4% ante 1% da população total. Existem hoje pouco mais de 22 milhões de pessoas nessa faixa etária no país. Dessas, 6,5 milhões em plena atividade.

O Brasil terá cada vez mais idosos levando vida ativa que foge dos estereótipos da terceira idade. A economia precisará se adaptar às novas necessidades de consumo dessa população. O aumento da longevidade poderá requisitar maiores cuidados com a saúde do corpo e elaborar um projeto que priorize o que sempre se desejou fazer e não por obrigação.

Pensando a respeito desses aspectos de grande relevância, compartilho com vocês o lançamento do documentário ENVELHESCÊNCIA, que traz uma reflexão e um novo olhar sobre o significado do que é envelhecer. O documentário será exibido no CCBB São Paulo esta semana! Não perca!

Não só a coragem da arte, mas a coragem dos valores essenciais para o mercado

Gostei muito dessa matéria com o Edward Leaman, pois seu conceito de arte aplicado às marcas incluem valores do qual compartilho serem importantes para alcançar inovação hoje em dia. De fato – assim como Francesco Morace menciona no livro Paradigmas do Futuro – a beleza, a verdade e a vocação são grandes condutores desse processo de transformação das marcas. A busca de uma relação harmônica entre ética x estética; a sustentabilidade como elemento crucial; a relevância de se proporcionar felicidade através da experiência emocionante; o respeito a um consumidor que é único e ao ser reconhecido como tal compartilha os valores da marca; além da transparência dos valores e processos da Empresa como reforço da credibilidade da marca são essenciais para sobreviver e viver no Mercado.

http://www.meioemensagem.com.br/mob/marketing/interna.html?path=/home/marketing/noticias/2015/06/12/Marcas-deveriam-ter-a-coragem-da-arte